HOME BIO DISCOGRAFIA LIVRO REMIX E TRILHAS TEXTOS GALERIA LINKS CONTATO


A Libido Está Em Toda Parte

Ao apagar das luzes, a descrição da ficha técnica de quase 5 minutos parecia indicar: dentro de instantes mais uma super produção Ana Carolina. Mas de verdade o show só começaria mesmo na décima primeira musica quando Ana surpreendeu a todos (e pelo jeito até a si mesma) ao cantar "Coração Selvagem" do cantor e compositor Belchior. Ao final do numero, a platéia estava toda de pé aplaudindo freneticamente uma cantora que a esta altura já estava aos prantos pela consciência de seu dever cumprido. Antes e depois dessa canção, aconteceu o que já sabemos de cor há pelo menos 15 anos: uma garganta privilegiada, uma compositora hitmaker e a eterna coragem de expor suas questões sexuais no palco. Qualidades estas que colocam seu público muitas vezes em estado de completa histeria, como pudemos verificar ontem ao final do show, quando Ana foi envolvida por um rolezinho de fãs ensandecidas que a levaram ao chão literalmente no exato momento em que cantava os versos de "Eu Sei Que Vou Te Amar" de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. 

Com direção de Monique Gardenberg que desta vez pouco demontra sua forte assinatura cênica preferindo se manifestar mais como cineasta atraves dos vídeos que são projetados numa grande tela, o show está mais para um recital eletrônico, onde as canções para dançar de seu ultimo disco #AC aparecem enfileiradas no primeiro bloco que também apresenta o inesperado cover de "Fire" canção de Bruce Springsteen composta em 1977 e lançada com muito sucesso pelo grupo feminino The Pointer Sisters no ano seguinte.

Na segunda parte, após a costumeira apresentação de seus dons com o pandeiro e uma homenagem ao ídolo Chico Buarque com a musica "Resposta da Rita", Ana arranca risos da platéia ao fazer uma versão acústica do reggaeton "Piriguete" somado aos  versos de "Você Não Vale Nada" do grupo Calcinha Preta. E de repente, o arrastão: meninas endiabradas com chifres coloridos na cabeça correm para a frente do palco sinalizando que o antigo sucesso "Ela é Bamba" era o inicio do ultimo bloco do show. E aí salve-se quem puder: cadeiras viradas, mesas arrastadas e pânico causado em espectadores desavisados que não sabem que Ana Carolina causa efeitos de fogo e paixão em seus admiradores. Um convidado que estava na mesa ao lado da minha gritou: "segura o celular!", não era pra tanto mas é preciso estar atento e forte nessa hora como demonstrava o segurança particular de Ana que atravessava o palco em estado de alerta impedindo qualquer tentativa de ataques voadores à cantora. 

Ana Carolina é uma potência: em tempos de crise, ela fará nesse final de semana aqui em São Paulo, duas noites completamente lotadas no imenso Citibank Hall. Seu novo show confirma todo esse sucesso e serve de aviso para os seus desafetos: Ana Carolina não vai mudar sua postura só pra te agradar. É isso aí.