HOME BIO DISCOGRAFIA LIVRO REMIX E TRILHAS TEXTOS GALERIA LINKS CONTATO


De Repentemente, Atenção !

O segundo álbum de Jorge Ailton era esperado aqui em casa com a mesma ansiedade que costumo ter quando um gigante da música popular está para lançar novo trabalho. Sim, porque seu primeiro disco “O Ano 1” causou o impacto dos grandes aqui em casa e virou presente e indicação de som  para muitos dos meus amigos. Usando a linguagem das ruas, o cara é fera. Sua chegada ao mercado foi de tamanha relevância que Paula Toller inaugurou um selo para lançar seu primeiro álbum e Lulu Santos, visionário e certeiro,  regravou a canção “Atropelada”. Agora este “Canções em Ritmo Jovem” (título que poderia perfeitamente figurar na capa de um antigo LP da Jovem Guarda), chega às lojas confirmando todos esses poderes e tornando-se uma espécie de segunda chamada para ouvintes que, por descuido, insistam em ficar desatentos.

Jorge Ailton concebeu um disco irresistível e implacável. Cheio de melodias que não dão mole para obviedades e outras vagabundagens, Jorge Ailton se mostra um arquiteto de canções geniais. Além disso, seus novos (Kassin e Ronaldo Bastos) e antigos (Alexandre Vaz) parceiros se mostram cheios de paixão e fé montando com ele esse verdadeiro quebra cabeça harmônico e poético. Enquanto ouço o disco com atenção, eis que de repente surge  a sua versão (na minha opinião, já antológica) de “Criança” de Marina Lima, trazendo nova densidade aos versos e demostrando que, ao escolher canções alheias, também é um excelente discípulo dos mestres do pop brasileiro.

Se “O Ano 1” puxava mais para o funk e o soul, este “Canções em Ritmo Jovem” parte para o rock sem firulas. A presença de Lulu em “Chega de Longe” e a pesadona “Charme Nenhum” confirmam esse meu pensamento mesmo que “Amanhecer” me traga de volta a melancolia de Cassiano e “O Pequeno Rei” lembre alguma antiga balada de Tim Maia, dois nomes que cito apenas como referências distantes porque em momento algum Jorge Ailton mergulha profundamente no mar de suas influências, procurando sempre a terra firme de um trabalho autoral.

Agora volto para “Canções em Ritmo Jovem”, álbum da semana no meu Ipod, com a certeza de que deixei bem claro nesse texto o que vou dizer a seguir: Jorge Ailton veio para ficar. Agora só falta você saber.